12 de fevereiro de 2017

Vereadora quebra protocolo e se recusa ler a Bíblia durante Sessão da Câmaraem em Araraquara



Na sessão da Câmara Municipal de Araraquara, no interior de São Paulo, a vereadora Thainara Faria (PT) disse que, apesar de ser católica praticante, não vai ler trechos da Bíblia no início das reuniões, como prevê o Regimento Interno do Legislativo.

O regimento determina um rodízio entre os vereadores na leitura do livro logo no início dos trabalhos.

Aos 22 anos, Thainara é a mais jovem vereadora da história da Câmara e a primeira negra no cargo. Na tribuna, alegou que o Estado é laico e que seria um erro doutrinar uma religião.

Ela sugeriu que o vereador poderia, por exemplo, em vez de ler um trecho da Bíblia, "encarnar um caboclo" ou ainda "falar a palavra de outras religiões".




A posição da vereadora repercutiu após o posicionamento na reunião da última terça-feira, 7. Ela afirmou ter recebido elogios pela postura, mas também algumas críticas.

Entretanto, garantiu continuar acreditando que a "Casa do Povo" não deva ter religião e, por isso, pediu que seja substituída por outro vereador quando for sua vez de ler a Bíblia.

O presidente da Câmara, Jeferson Yashuda (PSDB), contou que é a primeira vez que alguém se recusa a cumprir esse artigo, que foi instituído em 2006 no regimento interno.

Mas disse ser direito da vereadora se negar a fazer a leitura, o que será respeitado pela Câmara.



Compartilhe com seus amigos:

3 de fevereiro de 2017

Pastor preso por estupro usava sobrinha como para atrair suas vítimas



Pelo menos quatro crianças de 8 e 9 anos foram abusadas, diz SSPDS.
Crimes eram cometidos há cerca de dois meses em Sobral, no Ceará.

Um pastor evangélico foi preso terça-feira (31 Jan) suspeito de abusar sexualmente de quatro crianças de oito e nove anos de idade em Sobral, no Ceará. Uma das vítimas é a sobrinha do suspeito, que era usada para atrair outras crianças, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).

Conforme a delegada Adriana Savi, titular da Delegacia de Defesa da Mulher de Sobral, as investigações começaram no início deste mês quando a Polícia foi acionada por meio do Conselho Tutelar para investigar uma denúncia de abuso sexual. Os policiais iniciaram as investigações e identificaram as vítimas. As crianças foram submetidas a exames psicológicos e exames de corpo de delito, que comprovaram os abusos.



Ainda segundo Adriana, os crimes eram cometidos há cerca de dois meses, e o homem utilizava a sobrinha, que também era vítima, para atrair as outras crianças. "Os familiares das crianças não desconfiaram do pastor, por serem fiéis dele. Além disso, ele utilizava a sobrinha dele como 'isca' para atrair outras crianças sobe o pretexto delas brincarem juntas", disse a delegada.

O homem foi preso no momento em que se dirigia para a delegacia, a fim de receber informações referentes a um boletim de ocorrência por furto e arrombamento de residência. O pasto não sabia que contra ele já existia um mandado de prisão. Ele foi detido e interrogado, mas negou os abusos.

A delegada acrescentou que as investigações continuam para juntar mais provas dos crimes e tentar descobrir se existem outras vítimas. "Eu peço aos pais que tenham atenção com o comportamento dos seus filhos. As crianças costumam dar sinais quando estão sendo vítimas de abusos. O principal deles é apresentar um comportamento erotizado", finalizou a delegada.

Assista a reportagem:

Via G1



Compartilhe com seus amigos:

Pastor diz que se Eike Batista "tivesse seguido a Cristo, ele estaria livre”




Quando Eike Batista foi flagrado em uma visita à Assembleia de Deus de Rocha Miranda, foi questionado se o empresário, até então bilionário, havia se tornado evangélico.

Os mesmos questionamentos foram feitos ao pastor Daniel Silva com a prisão de Eike. Durante um culto recente, no entanto, Silva foi categórico acerca do assunto. “Se ele seguisse Cristo, do jeito que o Senhor falou para ele aqui, ele estaria livre”, afirmou.

De acordo com o jornal O Dia, o pastor chegou a mencionar que alguém utilizou a prisão de Batista para desqualificar a igreja. E, em seguida, rotulou o sujeito com termos como ‘imbecil’, ‘idiota’, ‘panaca’ e ‘profetinha de araque’.




Durante o culto em que Daniel mencionou o caso, estiveram mais de 200 pessoas. A igreja se localiza em um bairro da zona norte da cidade do Rio de Janeiro, caracterizado por um nível socioeconômico diferente do local onde Eike residia.

Na ocasião, frases e discursos remetiam ao histórico do ex-bilionário. “Quem estava rico vai ficar pobre e quem estava pobre vai ficar rico. Quem tinha não vai ter, quem não tinha vai ter.”

Também disse: “Quem está em cima vai cair. Quem acha que é, não é nada. Porque Deus vai fazer justiça”, concluiu Daniel.



Fonte: O Dia



Compartilhe com seus amigos:

28 de janeiro de 2017

Padre Hélio tem pena reduzida, mas deve cumprir em regime fechado



O STJ (Superior Tribunal de Justiça) negou recurso e confirmou sentença de 14 anos de prisão para o padre Hélio Aparecido Alves de Oliveira acusado de vários casos de pedofilia entre os anos 2001 e 2004, na cidade de Rio Claro. Em primeira instância, o padre que pertencia a Ordem dos Claretianos e era diretor do colégio, tinha sido condenado por 16 anos e três meses.

De acordo com o advogado das crianças molestadas a redução da pena de 16 para 14 não significa muito. “O que queremos é Justiça e que o condenado cumpra a sentença” cita Ariovaldo Vitzel Júnior. “O tribunal referendou a condenação em primeira instância”.

Padre Hélio tem pena reduzida, mas deve cumprir em regime fechado

De acordo com o que apurou a reportagem, com a condenação em segunda instância, uma ordem de prisão já foi decretada e enviada as autoridades policias, mas o padre está foragido. Ele chegou a ser preso em 2006 e, após cumprir pouco mais de um ano da pena, conseguiu habeas corpus.

Já irmão Hely, por telefone, representante dos Claretianos no município, afirmou que o assunto é de competência do advogado de defesa do padre.

A reportagem tem contato com o escritório do advogado de defesa do padre Luiz Eduardo Greenhalgh, mas o mesmo não retornou a reportagem do Jornal Cidade.

Fonte: Jornal da Cidade



Compartilhe com seus amigos:

Padre Hélio é preso acusado de vários casos de pedofilia em São Carlos




Hélio Aparecido Alves de Oliveira, de 58 anos, o padre Hélio, está preso em São Carlos desde o dia 20 de janeiro. Acompanhado de seu advogado, Hélio se entregou na Delegacia Seccional daquela cidade. Condenado a 14 anos de prisão, o então padre foi acusado de vários casos de pedofilia entre os anos de 2001 e 2004 na cidade de Rio Claro. O condenado chegou a ser preso em 2006 e, após cumprir pouco mais de um ano de pena, conseguiu habeas corpus.

O advogado Ariovaldo Vitzel Junior, que atuou como assistente de acusação do Ministério Público durante todo o processo, que teve início em 2004, falou sobre justiça. “Sabíamos que ele não ficaria foragido durante muito tempo. Ele foi julgado, condenado e o Tribunal de Justiça confirmou a sentença. É um alívio muito grande saber que Hélio está preso e que irá cumprir sua pena”, fala o jurista.




Vitzel ainda comentou sobre as famílias envolvidas. “Foi muito chocante, principalmente para as famílias que foram colocadas em descrédito quando denunciaram os crimes. Mas com a prisão sinto que meu dever está cumprido e acredito que agora a justiça será feita.”

A reportagem do JC também apurou que Geny Campanha Pecorari, que trabalhava como secretária do colégio onde Hélio era diretor na época dos fatos, foi presa, mas não houve confirmação da Polícia Civil.

O delegado Joaquim Dias Alves, que trabalhou no inquérito que resultou no processo e na condenação de Hélio, foi procurado, assim como o advogado de defesa de Hélio Aparecido Alves de Oliveira, mas até o fechamento da edição a reportagem não obteve retorno.

Saída

Em contato com os Missionários Claretianos do Brasil, congregação à qual o padre pertencia, a instituição informou que Hélio não é membro há muitos anos.

Fonte: Jornal da Cidade



Compartilhe com seus amigos:

Ordem de Trump para barrar muçulmanos em aeroportos já está valendo




Refugiados são detidos em aeroporto de Nova York, e passageiros de países muçulmanos são impedidos de embarcar em voo para os EUA. Porta-voz do governo diz que veto incluirá retorno de estrangeiros com "green card". A ordem assinada pelo presidente americano Donald Trump, que restringe a entrada de refugiados nos Estados Unidos, já fez suas primeiras vítimas. Em aplicação imediata do decreto, dois iraquianos foram barrados e detidos num aeroporto de Nova York na noite de sexta-feira.

Neste sábado (28/01), outros cinco cidadãos do Iraque e um do Iêmen foram impedidos de embarcar num voo da EgyptAir no Cairo, capital do Egito, com destino a Nova York. Os passageiros, que tinham vistos válidos de entrada nos EUA, foram obrigados a voltar para seus países de origem.

A ordem assinada por Trump suspendeu imediatamente por 120 dias a entrada de qualquer refugiado no país e por tempo indefinido o acesso de todos os migrantes provenientes da Síria, onde a guerra civil já provocou a morte de centenas de milhares de pessoas, aos EUA.




O decreto também impôs uma proibição de entrada nos EUA de 90 dias para qualquer cidadão de sete países de maioria muçulmana: Iraque, Irã, Iêmen, Líbia, Somália e Sudão, além da Síria. O objetivo é impedir o acesso ao país de "terroristas islâmicos radicais", justificou Trump na sexta-feira.

Advogados e grupos vão à Justiça

Segundo a imprensa local, os advogados dos dois iraquianos detidos no aeroporto John F. Kennedy, em Nova York, já contestam a ordem na Justiça, pedindo para que seus clientes sejam liberados.

De acordo com o jornal New York Times, um dos iraquianos, Hameed Khalid Darweesh, trabalhou para o governo americano no Iraque durante dez anos. O outro, Haider Sameer Abdulkhaleq Alshawi, viajava para se reunir com a mulher, que trabalhou para uma empresa no país, e o filho.

Os advogados afirmam que não foram autorizados a ver seus clientes, que "estão sendo detidos de forma ilegal". Em entrevista ao New York Times, um dos juristas, Mark Doss, contou que, ao perguntar a um agente de proteção da fronteira no aeroporto com quem poderia falar para resolver a situação, obteve a seguinte resposta: "Com o presidente. Ligue para o Sr. Trump".

O jornal americano afirma que ainda não está claro quantos refugiados estão sendo mantidos em detenção em aeroportos do país desde que a ordem executiva foi assinada. Várias ações foram abertas por grupos de direitos humanos, como a ONG União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU).

Estrangeiros com green card 

A ordem de Trump deve afetar também os residentes legais nos EUA – estrangeiros que possuem o chamado green card, com permissão de residir e trabalhar permanentemente no país –, informou neste sábado Gillian Christensen, porta-voz do Departamento de Segurança Interna americano.

O Comitê Antidiscriminação Árabe-americano (ADC, na sigla em inglês) disse ter recebido relatos de pessoas com o green card que tiveram acesso negado em aeroportos do país.

"O ADC está aconselhando cidadãos dos [sete] referidos países e que estejam nos EUA de não viajarem para o exterior. Vocês não terão permissão de retornar ao país", afirmou a entidade em comunicado. No ano passado, os Estados Unidos acolheram 84.995 refugiados.

Para este ano, o presidente Barack Obama estabeleceu o limite de refugiados em 110 mil. A ordem executiva de Trump corta esse número para 50 mil, além de excluir completamente os cidadãos sírios.

Com informações do Terra



Compartilhe com seus amigos:

Xuxa pede em rede social prisão de padre, entenda o caso



Xuxa Meneghel usou seu Facebook para pedir a prisão de um padre que interage com as crianças de uma maneira bastante estranha durante as missas: ele bate na cabeça, chacoalha e até empurra a meninada.

“Gente! Quem é esse padre? Pelo amor de Deus… lei menino Bernardo em cima dele, prendam esse homem autoridades”, escreveu a apresentadora na noite de sexta-feira (27).




O vídeo, no entanto, não é inédito. Ele viralizou no início de 2016 e deu cinco minutos de fama ao padre José Roberto Angelotto pároco da Paróquia da Ressureição, localizada em Ceilândia, no Distrito Federal.

Na época, alguns chegaram a criticar os gestos do padre, mas os frequentadores da igreja o defenderam nas redes sociais.

“É impressionante como as pessoas distorcem e falam do que não fazem nem ideia! Eu e minha família frequentamos essa igreja. Esse padre é muito querido, esse momento é um dos mais esperados pelas crianças, que fazem fila para falar com ele. É uma brincadeira entre ele e sua comunidade”, escreveu uma internauta no Facebook.

Xuxa, desavisada, acabou criticada pela maioria de seus seguidores.


Assista o vídeo;





Compartilhe com seus amigos: